III Semana da Enfermagem Fiocruz: honrando o legado e criando o futuro, evento celebra o cuidado que integra e transforma


A III Semana da Enfermagem Fiocruz foi realizada nos dias 15 e 16/5/24, no Colégio Brasileiro de Altos Estudos (CBAE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em sua 3ª edição, a Semana teve como objetivo consolidar a integração da equipe de enfermagem da Fiocruz em meio ao centenário do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), demonstrando a capacidade de articulação e sinergia desse grupo de trabalhadores.

O evento promoveu o protagonismo ao cuidado da mulher, da criança e do adolescente, temas tão relevantes para o conjunto de trabalhadores, majoritariamente mulheres, mantendo o envolvimento dos profissionais de enfermagem das unidades da Fundação, envolvendo também outras instituições científicas.

No dia 16/5/24, a manhã começou com uma saudação da enfermeira do IFF/Fiocruz, Mariana Cardim, que comentou da emoção de celebrar os 100 anos do Instituto e da Enfermagem. “Hoje, nos reunimos para celebrar não apenas o Dia da Enfermagem (12/5), mas também um marco significativo: o Centenário da Enfermagem, juntamente com o Centenário do IFF/Fiocruz. Hoje, olhamos para trás, para os últimos cem anos de dedicação, compaixão e inovação na área da saúde, e nos preparamos para enfrentar os desafios e oportunidades que nos esperam no futuro”.

Em seguida, foi iniciada a mesa-redonda: "Enfermagem do IFF: honrando o legado e criando o futuro”, momento em que as diversas áreas da assistência, ensino e pesquisa navegaram pelo passado, decifraram o presente dos seus legados e moldaram o futuro rumo ao próximo século.

Em sua fala, a gestora da Área de Atenção Clínica à Criança e ao Adolescente do IFF/Fiocruz, a enfermeira Márcia Paiva, explicou a trajetória de 100 anos do Instituto e da Enfermagem, citando a história da construção do prédio, que mais tarde se transformou no hospital; as mudanças de nomes até ser oficializado como Instituto Fernandes Figueira; a entrada das enfermeiras no Instituto; as alterações de gestões com o passar do tempo; o crescimento da Enfermagem na unidade; os marcos históricos importantes para a Enfermagem; a inauguração de algumas unidades dentro do IFF/Fiocruz e a gestão de Enfermagem de cada uma delas; o avanço tecnológico ao longo do tempo; e as enfermeiras que se destacaram.

Márcia Paiva (Foto: Bruno Guimarães)

Após o intervalo, o evento seguiu com o tema “Celebrando o cuidado que integra e transforma”, através de um bate-papo sobre os desafios entre os trabalhadores de Enfermagem das diversas unidades da Fiocruz. O momento de troca de experiências foi composto pela coordenadora de Atenção à Saúde do IFF/Fiocruz, a enfermeira Patrícia Marques; a enfermeira do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz), Hilda Silva; a enfermeira do Núcleo de Saúde do Trabalhador da Coordenação de Saúde do Trabalhador (Nust/CST), Isis Letícia; o técnico de enfermagem do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz), Leonardo Chaves; e a responsável técnica de enfermagem do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), Mariana Machay.

Hilda Silva começou o debate contando sobre desafios da Atenção Primária à Saúde, destacando a dificuldade de ser efetivamente uma porta de entrada para o cuidado. A enfermeira exibiu alguns fatores determinantes e condicionantes do processo saúde-doença como a localização geográfica e a infraestrutura a que os pacientes são expostos. “A saúde não dá conta do lazer, do transporte público, do trabalho. Precisamos trabalhar de forma interdisciplinar para que a gente não se sinta impotente”.

Na sequência, Isis Letícia apresentou os processos de trabalho da Enfermagem do Nust/CST, divididos em Coordenação de Enfermagem, Pronto Atendimento, Imunização, Exames Ocupacionais, Testagem e Monitoramento. Além disso, ressaltou a participação da equipe em atividades multiprofissionais, como comissões, grupos de trabalho e auditorias.

A enfermeira mencionou as iniciativas lideradas pela equipe, como o “Treinamento em Noções Básicas de Primeiros Socorros” para os trabalhadores e o “Diálogos com a Enfermagem”, voltado para as trabalhadoras da Fiocruz que estão gestantes, realizando consultas durante a gestação e fazendo o acompanhamento no pós-parto, garantindo orientações para o retorno ao trabalho. Isis finalizou falando sobre os desafios enfrentados pela equipe. “São várias frentes de trabalho para uma equipe reduzida. Quando fazemos as campanhas de imunização, temos que deslocar a equipe. Sensibilizar os trabalhadores sobre a importância da vacinação ainda é um desafio”.

Já Leonardo Chaves informou as atribuições da Enfermagem em Farmanguinhos/Fiocruz, apresentando a equipe, além de compartilhar as dificuldades da Enfermagem na unidade. “Nosso principal obstáculo é fazer com que os colaboradores abracem as nossas campanhas e iniciativas, muitas vezes temos que ir até esses trabalhadores para trazê-los aos projetos”.

A seguir, Mariana Machay apresentou a Enfermagem do INI/Fiocruz em números, mostrando dados de consultas, a estrutura do Instituto e o posicionamento estratégico da equipe de Enfermagem. Mais adiante, apontou os desafios da área para 2025, como organizar ações de promoção à saúde do trabalhador e manter a integração com outras equipes.

Mariana Machay (Foto: Bruno Guimarães)

Para concluir, Patrícia Marques relatou a realidade do IFF/Fiocruz, apontando o número de leitos de cada área de Atenção à Saúde do Instituto e os atendimentos que são realizados diariamente, mostrando os dados anuais. Após, apresentou as dificuldades enfrentadas pela equipe de Enfermagem da unidade, frisando uma questão importante que envolve o déficit de recursos humanos e a necessidade de Redimensionamento de Pessoal. “É preciso que tenhamos um padrão de dimensionamento único para todas as unidades da Fiocruz, seja ambulatorial, hospitalar ou saúde do trabalhador. A partir disso, teremos uma proposta à Coordenação-Geral de Gestão de Pessoas (Cogepe) e Presidência da Fiocruz de reposição e estratégias de pequeno, médio e curto prazo”.

No encerramento, o público presente no formato de um Grupo de Trabalho (GT) apresentou estratégias de enfrentamento ao déficit de recursos humanos que é real em todas as unidades da Fiocruz e, por votação e com a validação da maioria dos presentes, foi deliberada a determinação de uma metodologia única de dimensionamento de pessoal, respeitando às particulares e singularidades de cada linha de cuidado de enfermagem nas diversas unidades da Fundação e de uma mesma modalidade de execução de carga horária, visto que, em relação a questão salarial todos os trabalhadores de Enfermagem recebem o piso salarial, conforme a Lei nº 14.434/2022.

Patrícia Marques (Foto: Bruno Guimarães)


Assista aqui ao evento (16/5/24) na íntegra.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Destaques

Vídeos