IFF/Fiocruz conquista premiação e menção honrosa no Prêmio Oswaldo Cruz de Teses 2021

Profissionais do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) foram destaques no Prêmio Oswaldo Cruz de Teses 2021, organizado pela Vice-presidência de Educação, Informação e Comunicação da Fundação Oswaldo Cruz (Vpeic/Fiocruz). Os profissionais e estudantes do IFF/Fiocruz conquistaram o prêmio principal e uma menção honrosa concedidas nas categorias Medicina e Saúde Coletiva.

Doutora pelo Programa em Pesquisa Aplicada à Saúde da Criança e da Mulher (PASCM), Natana Chaves Rabelo foi vencedora do prêmio, na área da Medicina, com a tese ‘Sequenciamento de nova geração aplicado às síndromes com heterogeneidade clínica e genética: um modelo para o SUS a partir das Rasopatias’, orientada pelos pesquisadores Juan Clinton Llerena Junior e Sayonara Maria do Carvalho Gonzalez, do Centro de Genética Médica do Instituto.

O trabalho de doutorado realizado no Laboratório de Medicina Genômica do Instituto, teve o objetivo de implantar na rotina do Serviço de Referência em Doenças Raras (SRDR/IFF) uma técnica chamada de sequenciamento de nova geração (NGS), que é capaz de sequenciar simultaneamente milhões ou até bilhões de bases do DNA, possibilitando a investigação de diversas condições genéticas. Considerando a dificuldade de diagnóstico das doenças com heterogeneidade clínica e genética, assim como ocorre no grupo das Rasopatias (usado como um modelo neste trabalho), a incorporação da técnica visa favorecer diagnósticos mais rápidos e precisos aos pacientes atendidos no Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo Natana Rabelo, a premiação veio como um reconhecimento pelos esforços realizados desde a idealização do projeto até a implementação do NGS na rotina de diagnósticos no SRDR/IFF. “As doenças genéticas raras podem ser altamente debilitantes, mas, quando diagnosticadas precocemente, é possível estabelecer uma conduta clínica adequada, contribuindo para a melhora na qualidade de vida dos indivíduos acometidos e de suas famílias, além de aumentar a precisão do aconselhamento genético”, enfatizou a pesquisadora.



Sayonara Maria do Carvalho, Juan Clinton Llerena e Natana Rabelo

A pesquisadora Maíra Domingues Bernardes Silva foi contemplada com a menção honrosa, mérito concedido à Tese de Doutorado intitulada – Aleitamento materno na atenção neonatal e infantil de alta complexidade: estudo de coorte, orientada pelos pesquisadores Enirtes Caetano Prates Melo; Raquel de Vasconcellos Carvalhaes de Oliveira e João Aprígio Guerra de Almeida e defendida no Programa de Pós-graduação em Epidemiologia em Saúde Pública da ENSP (PPGEPI/ENSP).

A Tese mostra aspecto inovador considerando que, até o momento, se trata do primeiro estudo brasileiro a analisar os padrões e determinantes da prática de aleitamento materno em população com grande variabilidade de exposições de risco. A formação e o seguimento de uma coorte do nascimento, até o sexto mês de vida de 1003 bebês, representou uma importante oportunidade de investigação, assim como as medidas de controle e garantia de qualidade, ofereceram resultados confiáveis e válidos. Aliados a esses atributos, o caráter prospectivo, o tamanho da população e a alta aderência ao estudo oferecem a possiblidade de investigação de outras hipóteses e abordagens de análise, considerando a disponibilidade de dados relativos à mãe, à criança, ao serviço de saúde e à prática alimentar.

De acordo com Maíra Domingues, os serviços de saúde devem ser capazes de reconhecer situações de maior vulnerabilidade para a descontinuidade de aleitamento materno exclusivo e implementar medidas para reduzi-las, por meio do efetivo engajamento de profissionais de saúde, assegurando condições favoráveis para a amamentação. “Esse grupo apresenta grande vulnerabilidade para desfechos negativos e, sabendo que o aleitamento materno é uma estratégia que confere maior proteção para alguns desses desfechos e melhor conformação à saúde, os serviços e sistema de saúde devem estar preparados para promover e apoiar o aleitamento materno, de forma qualificada e intensificada. É necessário fortalecer a cultura da amamentação dentro da unidade neonatal e capacitar a equipe na assistência clínica especializada, no manejo e suporte ao aleitamento materno para esta população. Mais investimentos e esforços devem ser realizados para garantir melhores taxas de aleitamento materno entre neonatos e crianças de risco”, concluiu a pesquisadora.

Confira os links dos artigos científicos publicados e relacionados aos estudo sobre Aleitamento materno na atenção neonatal e infantil de alta complexidade:

https://internationalbreastfeedingjournal.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13006-020-00349-x

https://bmcpediatr.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12887-020-02272-w

https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0255190

https://journals.ukzn.ac.za/index.php/JISfTeH/article/view/1450

https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1355184121000636

Sobre a premiação

Em sua quinta edição, o Prêmio Oswaldo Cruz de Teses busca destacar pesquisas de alta contribuição para o campo da saúde, desenvolvidas nos cursos de pós-graduação da Fiocruz e em cursos dos quais a instituição participa de forma compartilhada. As áreas contempladas são: 'Ciências Biológicas Aplicadas e Biomedicina', 'Ciências Humanas e Sociais'; 'Medicina'; e 'Saúde Coletiva'.

Em 2021, os organizadores destacaram o grande esforço realizado para manter as atividades educacionais e as iniciativas que valorizam as pesquisas e trabalhos desenvolvidos na Fundação, em meio à pandemia de Covid-19. A premiação considerou pesquisas defendidas entre maio de 2020 e abril de 2021.

Ao todo, foram premiadas quatro teses, uma em cada categoria e concedidas cinco menções honrosas, sendo duas na área 'Ciências Biológicas Aplicadas e Biomedicina'; uma em 'Ciências Humanas e Sociais'; e duas na área 'Saúde Coletiva'. Confira a lista de vencedores. 

Informações Adicionais